Select Page

(Portuguese original text below)

46th ESTORIL LISBON FESTIVAL

Vasco Dantas (piano), Rui Lopes (bassoon), Adriana Ferreira (flute)

Hotel Palácio, Estoril, July 29th

As noted by guitarist Piñeiro Nagy, director of FEL for decades, the Opus Ensemble had its debut in 1980, in the sixth edition of the event. Now in 2020, in the eighth show of the present edition of the festival that runs until December 14, the occasion was used to launch the Trio Estoril, the new group also sponsored by FEL. In a room with reduced attendance but very warm, the very auspicious recital was deservedly applauded for the exuberance, talent and stylistic elegance displayed by young Portuguese musicians, a pianist, a bassoonist and a flutist. Two of the interpreters make their careers in European orchestras, Rui Lopes in Basel and Adriana Ferreira in Rome, while Vasco Dantas tours in Russia, Germany and Asian countries. The debuting trio performed with a program consisting of works by Hummel, Beethoven, Vianna da Motta and Villa-Lobos. It was as if each composer corresponded to chapters of the novel “The Game of Glass Beads” in which a board with pearls forms a distraction invented by a musicologist with practitioners who treat the game as if it were a sacred relic. Hermann Hesse imagined a wonderful game of abstraction where the notes of the musical range are associated with seven colors and seven qualities such as generosity, temperance, justice, patience, humility, etc. This game of musical-theatrical-poetic-philosophical improvisation that is never revealed to the reader, is orchestrated by a ludi magister, the master of games who lives in Castalia, a republic of scholars. Generosity arose with the Hummel trio in which the performers developed each variation in order to capture the spirit of bravery in the piece with its series of challenging stylistic fantasies. In a lively dialogue between flute and bassoon, the passion developed with Villa-Lobos’ “Bachianas Brasileiras (nº 6)”. Hope came with the sharp contrasts of Beethoven’s “Trio WoO37” and diligence with “Portuguese Scenes, op. 9, Cantiga de Amor, Chula, Valsa Caprichosa ”by Vianna da Motta, a moment chosen for virtuosity. Long and fruitful life to Trio Estoril! / ANA ROCHA

– –

46º FESTIVAL DE ESTORIL LISBOA

Vasco Dantas (piano), Rui Lopes (fagote), Adriana Ferreira (flauta)

Hotel Palácio, Estoril, 29 de julho

Conforme salientou o guitarrista Piñeiro Nagy, diretor do FEL desde há décadas, o Opus Ensemble teve a sua estreia em 1980, na sexta edição do evento. Agora em 2020, no oitavo espetáculo da presente edição do festival que se prolonga até 14 de dezembro, foi aproveitada a ocasião para o lançamento do Trio Estoril, o novo agrupamento igualmente apadrinhado pelo FEL. Numa sala com assistência reduzida mas muito calorosa, foi merecidamente aplaudido o recital muito auspicioso pela exuberância, talento e elegância estilística exibidos por jovens músicos portugueses, um pianista, um fagotista e uma flautista. Dois dos intérpretes fazem as suas carreiras em orquestras europeias, Rui Lopes em Basileia e Adriana Ferreira em Roma, enquanto Vasco Dantas realiza digressões na Rússia, Alemanha e países asiáticos. O trio estreante apresentou-se com um programa constituído por obras de Hummel, Beethoven, Vianna da Motta e Villa-Lobos. Foi como se cada compositor correspondesse a capítulos do romance “O Jogo das Contas de Vidro” em que um tabuleiro com pérolas forma uma distração inventada por um musicólogo com praticantes que tratam o jogo como se fosse uma relíquia sagrada. Hermann Hesse imaginou um maravilhoso jogo de abstração onde as notas da gama musical são associa­das a sete cores e a sete qualidades como a generosidade, a temperança, a justiça, a paciência, a humildade, etc. Este jogo de improvisação musical-teatral-poética-filosófica que nunca é desvelado ao leitor, é orquestrado por um magister ludi, o mestre dos jogos que vive em Castália, uma república de eruditos. A generosidade surgiu com o trio de Hummel em que os executantes desenvolveram cada variação de forma a captar o espírito de bravura da peça com a sua série de desafiantes fantasias estilísticas. Num diálogo vivíssimo entre flauta e fagote, a paixão desenvolveu-se com as “Bachianas Brasileiras (nº 6)” de Villa-Lobos. A esperança chegou com os acentuados contrastes do “Trio WoO37” de Beethoven e a diligência com as “Cenas Portuguesas, op. 9, Cantiga de Amor, Chula, Valsa Caprichosa” de Vianna da Motta, momento escolhido para o virtuosismo. Longa e frutuosa vida ao Trio Estoril! / ANA ROCHA

Open chat
1
Hello,
Can we help?
Powered by