PRESS



Música: Viagem pela Ibéria e América

Tomás Costa (Violino) e Vasco Dantas (Piano) deram um excelente concerto no Schloss Burgau.

Foram oferecidos sons ibero-americanos e o público pôde ouvi-los - baixinho, sussurrou e respirou, mas também com um som intenso.

Vasco Dantas, nascido no Porto (Portugal), tocou a parte de piano com técnica altamente qualificada, grande envolvimento e empatia encantadora.
Muitas pessoas de Düren conhecem-no desde a sua estreia no concerto de abertura da Masterclass Internacional de Heribert Koch, em 2015.

O seu colega, Tomás Costa, provocou sons que raramente se ouvem num violino. Sussurrando, respirando e às vezes ouvia-se até um suspiro que só os profissionais sabem fazer. Descrever com palavras esses sons não é realmente fácil. O público pôde desfrutar de quase todas as técnicas possíveis de serem tocadas num violino. Ambos os músicos mostraram, em certas passagens, que eles são também solistas extraordinários.
Quando eles tocaram juntos, conseguiram resolver detalhes musicais difíceis usando o seu talento extraordinário e confiança cega.

A vasta gama de obras musicais foi demonstrada com os portugueses Luís de Freitas Branco 'Sonata no.1' e Joly Braga Santos 'Nocturno', melodias de George Gershwin 'Porgy and Bess', canções folclóricas espanholas de Manuel de Falla e melodias de Tango por o mestre Astor Piazzolla. Já com a Sonata no.1 de Branco, ambos os músicos deram um exemplo de suas habilidades. Técnica de arco fascinante intercalada pelo acompanhamento do piano respondendo às mesmas melodias.

A dupla fez uma viagem aos EUA com "Porgy and Bess". O público pode ter um gostinho de como as canções musicais tradicionais, como "Summertime", "My Man's Gone Now" ou "Tempo di Blues", podem soar com um violino e piano. O que o compositor Maurice Ravel disse a Gershwin quando ele foi procurá-lo na França? Ravel disse "você já é um Gershwin, por que você quer ser um segundo Ravel?". Vasco Dantas, que apresentou o programa contou esta história.

O violinista e o pianista levaram o público a uma viagem musical pelas regiões espanholas tocando o De Falla 'Suite Populaire Espagnole'. Danças selvagens da Andaluzia foram substituídas por sons melancólicos pensativos.

Vasco Dantas explicou que o adágio de Santos "Nocturno" é como uma situação hospitalar em que o paciente, depois de tomar um remédio forte para o analgésico, está flutuando entre a realidade e o sonho. O violino e o piano eram dominados por crescendos e decrescendos, mistério e brutalidade, bem como tristeza e fúria. No final, o paciente finalmente acorda de maneira delicada.

A platéia conheceu a história do tango de Piazzolla "Histoire du Tango". "Bordel 1900" dá ao violino uma risada alegre. Em ‘Café 1930’, Piazzolla cria uma atmosfera de café. "Nightclub 1960" soa selvagem e inacabado. A última versão de tango "1990 concert d’aujourd'hui" contém desarmonias. Os instrumentos seguem o seu próprio caminho como pessoas. O violino e o piano têm agora um efeito destrutivo. Aqui e depois, aumenta a necessidade de harmonia. Em vão.

"Capella Villa Duria" apresentou novamente, com este concerto, um destaque musical.


Música: Viagem pela Ibéria e América